Tipos de letras e a cursiva!

TIPOS DE LETRA E A CURSIVA! 

Letra de imprensa, letra bastão, letra de fôrma, caixa alta, script, cursiva, letra de mão, manuscrita, emendada, maiúscula, minúscula…

UFA! Será que conhecemos todos esses tipos de letras?

Acredito que sim. 

São tantos nomes que muitos se referem ao mesmo tipo de letra. Então, vamos citar aquelas que utilizamos em sala de aula.

A letra de imprensa, também conhecida como bastão, fôrma, caixa alta, script, que pode ser escrita em maiúscula ou em minúscula, é assim chamada porque corresponde aos caracteres tipográficos utilizados na imprensa.  Esse tipo de letra está presente em praticamente todos os registros escritos, nos livros, na televisão, nos jornais, nas embalagens, nos rótulos, no teclado do computador. Sendo assim, fica claro o papel social fundamental desse tipo de letra na alfabetização, pois sua percepção é mais rápida, fácil e convidativa para a aprendizagem. 

Por ter um traçado mais simples e serem letras separadas, possibilita uma ampliação de tempo para pensar sobre a escrita dos diversos tipos de textos, das palavras e das letras que devem ser usadas para representar cada som. Por isso esse tipo de letra em maiúscula, é utilizada nos primeiros momentos da aprendizagem da leitura e escrita. 

Depois de estimuladas e confiantes, as crianças tendem a ir para a letra cursiva. 

A letra cursiva também chamada de manuscrita ou letra de mão, caracteriza o estilo de escrita manual em que as letras são ligadas umas às outras, permitindo que a palavra praticamente seja escrita com um único traçado e com muito mais agilidade. 

Sendo assim, possibilita a continuidade dos seus pensamentos em seus registros e exige uma coordenação motora mais aprimorada do que a letra de imprensa.

Em nosso Colégio optamos em PREPARAR os alunos a escreverem com a letra cursiva no 1º ano, mas é A PARTIR do 2º ano que eles sigam em frente nessa jornada.

Esta escolha está relacionada ao processo de construção das hipóteses da escrita. Durante a alfabetização inicial, as crianças trabalham pensando quais e quantas letras são necessárias para escreverem as palavras. Daí a opção de utilizar a letra de imprensa. A letra cursiva é emendada uma na outra, o que dificulta separá-las visualmente quando se está aprendendo a ler. Dessa forma é ideal ensinar a letra cursiva quando a criança já desenvolveu a lógica do sistema de escrita. 

Muitos pensam que para escrever com a letra cursiva, basta treino no caderno de caligrafia. Mega engano!

As crianças precisam ser orientadas para não misturar tipos de letra e que cada letra tem o seu traçado e precisa ser respeitado.

Existem algumas estratégias em sala de aula para ensinar a escrever com mais facilidade, agilidade e principalmente corretamente.

Então entra o conhecido ditado: A pressa é inimiga da perfeição.

A criança precisa desenvolver os pré-requisitos para trabalhar com a letra cursiva. Por esse motivo fazemos um trabalho de coordenação motora fina desde os primeiros anos na escola para depois apresentar as letras e assim se familiarizar com o traçado e fazer o reconhecimento. É imprescindível que a conheçam letra por letra, iniciando até mesmo pelo traçado das vogais e comecem a exercitar movimentos um pouco mais complexos até chegar na fase de conseguir passar a informação para o papel sem perder a linha de raciocínio.

Portanto, o começo da prática da letra cursiva não significa que a alfabetização já esteja totalmente concluída.

Mas é necessário que haja mediação entre escola e família para que tal processo tenha sucesso ao final de tudo. Por isso, as atividades e os deveres feitos em casa são primordiais para induzir as crianças a esses treinamentos que visam a prática e que podemos ajudá-las a superar essas dificuldades para aprenderem todas as letras.

Não podemos esquecer que em relação a tecnologia, a escrita manual traz benefícios neurológicos e cognitivos para a criança. 

Apesar que, a letra cursiva acaba não sendo tão relevante após a formação, mas ainda continua sendo muito importante durante a alfabetização. Após essa etapa, e já nos últimos anos escolares, o tipo de letra usada não é tão relevante. Geralmente cada pessoa opta por uma letra que seja compatível com a própria personalidade e que seja confortável para elaborar textos.

Então, qual letra você escolheu para criar uma escrita fluente, com agilidade e legível?

 

Ana Maria Syperreck Skalee

Professora 1º Ano/1